a vida seria uma bobagem sem essas bobagens


domingo, 18 de abril de 2010

Símbolos.

Já tem um tempinho que venho usando um símbolozinho.

- sz*

Ele é somente uma expressão das pessoas especiais que tenho em minha vida.
Geralmente eu nao uso o mesmo para todos... eu tenho memória automática para despedidas, é geralmente assim:

amoree, to saindoo
bgs
sz

Agora para especiais geralmente o sz vem acompanhodo de um tracinho.
Apenas para especiais.

Por falar nisso vou citar nomes de pessoinhas que eu fiquei toda feliz por falar hoje;
Victor, Luh, Sah, Breno e @aniielle ;)

Lov so*

A Bela e a Fera



E foi em uma tarde de sábado que o Breno mais uma vez apareceu na minha vida para marcá-la.
Depois de algumas semanas sem conversar com um dos meus melhores amigos ele vai me contar as novidades; ta sematei, ele vai ser a FERA da peça dele.

Eu devo atacá-lo agora ou depois? Agora eu tenho meus dois personagens favoritos na vida reaal (Fantasma da Ópera e Fera).
De qualquer forma, eu raramente tenho meus vícios, mas quando tenho são eternos.
O Breno me mandou um link de um vídeo e eu, feliz já com a conversa, abri me deparando com a Fera a dizer "aja como um cavalheiro".
Aiin, ae de repente ele começa a cantar maravilhosamente e meu pranto supremo começa.

Depois disso eu não consegui mais fazer nada antes de assistir o musical da Broadway.
Nossa, eu desmoronei de tando chorar, a história é muito bonita.

Primeiro ato


Eu sei, eu sei, quanto a genten é criança obrigatóriamente acabamos assistindo contos de fadas e um é parecido com o outro, mas por mais incrivél que pareça, A Branca de Neve deixou de ser o meu classico favorito.
A fera viveu durante tanto tempo na escuridão.

Ain genten, é o final feliz que eu queria que o Fantasma da Ópera tivesse.

Mas é impressionante como certas coisas me deixam encantada, ver a Bela conversando com a Fera com tanto carinho, ou ver a Fera quase chorando por conta de ter assustado a Bela.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

180, 360, 540 volts.

Tudo bem, minha vida tem o direito de querer esquentar, ainda mais quando eu disse que estava tudo na mesma.
  • Agora aquele maldito dilema de o que eu faço com meu namorado estressado voltou para pior, ele apredeu a ignorar o fato da briga assim como eu, então a gente consegue conversar numa boa.
Ele realmente está sendo normal.

  • Fora isso, meu melhor amigo de internet me desestabiliza por inteiro e eu não sei mais o que fazer ao certo. Só sei o que não devo mais falar.
  • Não consigo falar com o Victor a troco de nada, e o maldito site de oi não envia mensagem nem com macumba de galinha preta.
  • Estou com problemas de visão
  • Febre diz oi e eu falo BEM VINDA.
  • Sono diz oi e eu falo MERDA
  • Tenho Estudo Dirigido para amanhã e não terminei de fazer ainda.
Que belezinha de vida.

Aiin aiin, vamo que vamos que o que importa é ser feliz, mesmo que em dias de trevas e duvidas isso seja quase uma missão.

Nos olhos de quem ve.

Compras Comida, como viver sem elas?
Enquanto esperava graciosamente a tiazinha superbemeducada cortar a bendita muzzarela para o meu lache feliz, tentava encontrar algum reflexo para ver como estava aquela coisa que já foi cabelo um dia.
Comecei a andar depois de pagar caro numa miséria de muzzarela, e enquanto observava as vitrines, percebi que o que via, na verdade, eram os produtos e não meu próprio reflexo.

Tudo isso me fez pensar em narcisimo (sim, com minha vida de pernas para o ar eu vou falar disso).
Mas é a pura verdade, as pessoas tem tanta tendencia a se amarem que nao veem mais vitrines e sim seus reflexos, nos quais podem admirar a beleza que sempre almejam ter mais e mais.

Hoje em dia é tudo tão padronizado: beleza, moda, gostos, cabelo, TUDO.
Então se eu gosto de jeans e regatinha, na minha faculdade onde desfile de moda não é so no SPFW, acabo sendo olhada com aquela cara de Paris Hilton de odeia.
/sematem.

Sim pessoas, continuem a olhar para os próprios umbigo, ditando regras e padrões que foram pregados a vocês como normas de uma conduta perfeita.
Sejam coloridos quando a moda é essa, darks, punks, emos, pattys...
Sigam o que a indústria da mídia ensina, como bons cãezinhos adestrados, mas por favor, não venha dizer a mim que meu all star sujo de terra e minha jaqueta retrô são inadmissiveis, quem decide isso sou eu.

revoltei!

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Madrugada.

Depressiva e tao sempre companheira, mais uma vez eu e a madrugada conversamos durante uma noite que parece longe de tranquila e beirando a loucura.
Aquela coisa chamada vida deu uma volta de 360 graus e, por mais obvio que seja, voltou exatamente ao mesmo lugar.
Esperei por um surto, uma mudança, mas como em uma roda de brincadeira, cantando musicas batidas das quais sequer se analiza a letra, voltei a ponto de partida, de mãos dadas com meu próprio destino.
Chorei.

Procurei a sáida imediata, o grito final da raiva, angústia e dor que corrompiam minha alma até então inocente e pura, mas de todo um pouco cruel a ponto de colocar a mim mesma, que sou de tão insignificante, quem manda em minha vida, abaixo daquele a quem pertence a mesma já citada.
Por fim gritei.

Chamei nomes desconhecidos aos meus ouvidos já tão acostumados com os daqui, e eles, como bons anjos, responderam aos meus leves toques de sino, sussurrando letamente "ainda estamos aqui".
Silenciei.

Uma lágrima correu por meus olhos, borrando meu rimél preto e minha leve maquiagem que escondia as olheiras profundas das noites anteriores.
Novamente um corte exposto no meu rosto alvo, implorativo.
Esperei.

Mas foi aí que nada mais aconteceu.

domingo, 11 de abril de 2010

Detalhes de outra vida.

Alexandre me seduzia com seus olhos, mesmo eles estando duramente voltados para mim.
Na verdade ele sequer matinha muito tempo seu foco em meus sensiveis olhos castanhos-dor, simplesmente ignorava o fato deles estarem ali.
Já se aproximava a hora de dormir, e mesmo para dois Anjos, aquela dia havia sido completamente cansativo, e, alias, nós estávamos complestamente em condições humanas.
Ele parecia insatisfeito, e eu tinha minhas duvidas de quanto tempo duraria aquela vontade de Alexandre lutar contra o lado dele, somente e apenas para ficar AO MEU LADO.
O frio congelava até a ponta de nossos dedos e se tornava difícil que qualquer um dos que sobraram ficasse sem tremer ou reclamar da imensidão gelada ao nosso redor:
- Sarah, você e Alexandre ficarão juntos essa noite.
Não que me importasse com o fato, mas eu preferia mil vezes ser a porta voz e ficar acordada por toda a madrugada do que ter de passar a noite com meu Anjo Caído.
Alexandre era vigiado dia e noite por todos, ninguém conseguia acreditar na sua mudança repentina, e eu sabia que pelo humor dele, o pedido para troca de minha noite de guarda não vinha em vão.
Deitamo-nos, mas ele, em seu doce e sensivel modo de agir, se virou completamente de costas para mim.
Meu peito explodiu em dor e a cada um minuto outra corrente tão forte como a anterior me fazia sentir imediata vontade de fincar uma espada em meu estômago e morrer, somente com o veneno que viria junto ao corte.
A dor aumentava a medida que minhas mão acariciavam o rosto dele.
Por um tempo tive consciencia de que Alexandre estava tão acordado quanto eu, mas depois de um hora ele começou a respirar de forma mais relaxada e seu corpo amoleceu em meus braços.

Começava minha noite.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Desde hoje.


Enquanto cortava uma manga para ver se comia algo que prestaaa, quando ouvi uma criança gritando PODE VIR.
Não sei pq pensei em Pique-Esconde /Esconde-esconde.

Comecei a lembrar do que a genten gritava quando acabava de contar:
- Não escondeu não escondeu, prontos ou não aqui vou eu.

E aí aquela tensão de criança procurando um bando de amiguinhoos atrás de carros, arvores, banca de doce do homem estranho.

- eu brincava na pracinha em frente minha casa;

Ae achava alguém e saía correndo pra bater na árvore onde tava contando:
- 1 2 3 Fulaninho atrás do muro da casa da Hingrid vizinha.
Era sempre assim.

E que injusto, quem tinha que bater cara era o infeliz que foi encontrado primeiro e não o sobrevivente do final, o coitado que se escondeu por mais tempo ¬¬

O mais legaal para mim era quando a gente ficava assim:
- Fulanoo, só falta você, SALVA O MUNDO.
Aee saía um neguinho do meio do mato e batia na árvore gritando o nome dele e salvo o mundo.

Que feliz, para crianças Salvar o Mundo é conseguir não ser encontrado.
deu vontade de brincar de Pique Esconde, da época que eu trapaceava e escondia atrás de quem tava batendo cara xD
Ou quando eu caía no meio da corrida e ainda tinha que tampar depois...
Maldadeee com a criança.

E aí eu terminei de picar a manga, tive consciencia de que não iria sair pra brincar com os vizinhos da rua de trás na pracinha. Lembrei dos meus 17 anos e da distancia daquela realidade tranquila.
Voltei a ficar triste.


E as vezes eu acho, as vezes tenho certeza: Peter Pan tinha razão;

Pesadelos.

Foi a primeira vez que um pesadelo me segurou na cama até as onze, e alias, foi a primeira vez que dormi até as onze desde que cheguei aki.
A melhor coisa que aconteceu na minha vida foi o Sirius ter mudado aqui para Camps (oleleee olalalaaaa eu posso escreve isso aqui agoraaa).
Se não fosse por ele, acho que nessa semana que está se passando eu já teria desistido e voltado para Franca.

Não é saudades, não é dificuldade e muito menos preguiça, mas o curso tá me broxando MERMO.
Sl, daqui um ano as coisas vao ficar lecaais, mas esperar UM ANO? Artes Cênicas já começava com o que eu queria.
A galeraa é gente boa, não dá pra negar, mas eu nao posso me manter num curso por conta dos amigos que tereei.
Bem, queja tenho se for analizar bem.

Mas se eu quisesse biologia ia estuda BOTANICA nao Psicologia.
Noa quer história, biologia, genética, matemáticaa (aaa matemáticaaaaaa /morri)... Queria só alguma coisa mais interessante.
Fora que nao consigo concentra em NADA pra estuda, parece até quando eu tava no SegundoA.

De qualquer forma nem rola ficar desabafando litro aqui, nao vai mudar minha perspectiva nula do curso.
Vou tentar estudar Fenomenos e Genética hoje, quem sabe não animo?!

Mas afinal, quem pode dizer que as coisas seriam da forma que pensei?

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Tiiim *___*

http://www.sbrobous.com/tim_atu_sb.php

terça-feira, 6 de abril de 2010

Internetprestasim!

Nossa, para quem falaa que net nao presta, desligue A SUA E VA SER FELIZ.
A minha me trouxe algumas pessoas que jamaais esquecerei, mas dentre elas eu destaco meeu companheiro de tardes atoas e de cantorias por Skype.

Jorge!

Alguns anos de amizade já, mesmo que durante dois deles nós não tenhamos nos falado muito.
Mas desde uma madrugada na qual ele me passou o novo msn, basta que um veja o outro on line que eu tenho um motivo a mais para sorrir durante minha tarde infeliz.


E mesmo que não pareceça, ele já é tão ou mais importante que pessoas que mora aqui do meu lado, ou que me veem todos os dias.
Ou aquela que tenho anos e anos de amizade mas que nao se importa.


Ele me tranquilizou naqueles piores dias, me fez rir quando mais uma vez fui derrubada pelos seres humanos.
Nós cantamos Legião, Mamonas, Engenheiros, Capital, etc; ao som da minha voz maldita e do violão afinado dele.

Ele me faz bem.


De qualquer forma eu sei que agora já é tarde demais para isso, mas eu desejo ao meu MELHOR AMIGO DE NET um feliz aniversário.
Que tudo o que pode acontecer de bom se manifeste na vida de alguém que sempre ajudou muito sabendo que em troca poderia receber nada.

Felicidade, amor, saúde e que a vida mostre como ainda existem pessoas que valem a pena a ele.
Desculpe se nao posso ser uma delas.


Os riscos dessa Highway (8)

Que emoçaããooo, tpw, isso TINHA que vir para o meeel blog: a primeira vez que ouço "Infinita Highway"




(manoo, foi tanta a emoção que digitei 2x o nome errado).

Vééi, essa música rula vidas numa categoria que ngm consegue, Humberto Gessinger é O cara sem dúvida /podecrê.
Tpw, ngm consegue escreve uma letra que todas as frases são phodas*, mas eu sequer consigo selecionar as 5 melhores...


Bem, essa emoção se dá ao fato do meel namorado do demonio (ahh, sem essa piadinha de mal gosto não tem graça) ter me dado, juntamente com um mp5 /babababy, a discografia do Engenheiros.

Ai to até emocionadaa de ouviiir a música de verdade, eu só conhecia as versões ao vivo *o*.

Depois dessa declaração emocionada de amor a música, acho que fica mais do que claro que meu vício/amor por Engenheiros voltou a toda pra minha vidinha animada.
E dane-se o resto, agora todo mundo terá de me aguentar com aquela falação desnecessária sobre um cara que tem uma filha da minha idade.

Muahahahaahaaaa (6)

/atéparece.
.é capaz do povo me manda fala com a mão xD

Mesmo assim vale a pena, 1berto é tudonavida.com;

-add ele no twitter ;)

Francanisses

Franca, a cidade da desgraça incondicional.



Aqui de nada mudou, os motivos que me levaram a ansiar uma despedida eterna desse inferno em Terra ainda são os mesmos e por fim, o que me mantinha viva também.


Rever meeels amoores foi tudo de bom.
Jacob, minha paixão de vida, sempre me matando de rir;
Moço, meel eterno beest, sacrificando-se para me deixar feliz;
Thaaais, sempre nas eternas conversas e fofocaas;
Raaul, Iza, Luuh, Gabys, Jeeh; todoos tão importantes e nostalgiscos para mim, fizeram uma vez mais, meu ego se alegrar pelo simples fato deles existirem.

De qualquer forma meus pais continuam sendo as grades de uma eterna prisão.
E eu que achei que havia me libertado (caraa isso me lembra uma musica, mas nada me faz recordar a LETRA dela).


Bem, usando as palavras deles "O Destino da Ana Flávia já está traçado".
Traçado por eles, de uma forma que chega a me arrepiar de raiva e repulsa, como eu queria ter uma vida normal.

Eles acham que normalidade é largar o namorado hoje e ontem começar a namorar com outro, nada mais DIGNO nessa porra de mundo estranho.


Quer saber? Foda-se também, não faço mais questão de nada, PRA QUE? LUTAR POR MINHA FELICIDADE É INUTIL SE O MUNDO TODO VAI CONTRA.


EU NÃO POSSO SOZINHA.


Nem sequer ELLE consegue lutar por essa felicidade.
Dane-se o mundo, ele não é um luga interessante e sequer BOM para se viver.
Mas por outro lado, eu me senti especialmente amada por algumas pessoas, das quais espero JAMAIS me separar.


Jacob, Moço, Hobtiza, Anjinhadaguarda, Poia e Porkinha: EU AMO VOCÊS.

Falando como Swan 18

Meu mundo gira e minha cabeça estarrecida pede por socorro.


Uma vontade inegavel de chorar se abate sobre meus pensamentos e logo toma meu corpo, me fazendo fraquejar no escuro corredor de minha casa.

Será que me habituei com a trisreza ou ela que se acostumou comigo?

Não faz sentido, não foram muito dias imersa em lágrimas, mas somente eles me bastaram para roubar todo o brilho que havia, não só em meu olhar, mas em mim.

O buraco aberto em meu peito continua ali e mesmo com meus batimentos cardíamos acelerados, é como se nada funcionasse.

Ainda tenho dificuldade para respirar, e ela nada tem haver com a gripe que me assola a cada problema.

Dor.

A vontade de desabar continua gritando em meu peito e eu sinto que destruí sonhos de uma vida que não precisa ter encontrado a minha.

E ao final minha personagem favorita tem razão, "a culpa é toda minha."



Será que se percebi isso não é hora de parar? Destruir qualquer possibilidade de um fim tão desastroso quanto o dela?

Chegaria a ser cômico, se é que não trágico.



Mas somente cogitar tal hipótese faz meu corpo se tranfigura em um poço de dor, chegando a causar um desconforto físico tão grande que quase me curvo sobre meu prórprio tórax, tentando afastar, que seja um pouco, o desespero devastador.

Não posso.

E isso, por mais que diga que não, eu sei que é injusto com quem mais amo.

A dor continua a arrebatar meu coração, e agora meus pulmões, transformam respirar em um difícil e elaborado exercício. Volto a ter que me concentrar.



E novamente entro em contradição comigo mesma: e se tudo o que estou fazendo não é somente para satisfazer minha própria vontade? Para me ver feliz?

A prioridade não sou eu, ela somente se exprime nele.

Então, afinal, o mais importante é o que ele deseja e não o que minha mente perturbada grita insanamente ser o melhor.



Que seja dele a decisão.

Brincando de Escrever

Ah sim, a famosa Inspiração.

A quantas ela não me visitava?! Talvez meses? Sim, com certeza meses.
Essa semana ela me procurou.
Calada, em seus passos silenciosos, geralmente à noite como sempre desde então.
Sussurrou calmamente em meus ouvidos pedindo para que eu levantasse, procurasse uma folha de papel e despejasse suas palavras letras por letra, não trocando o sentido de nenhuma das tantas frases que ela, rapidamente, soprava por meus ouvidos.
Nem eu mesma acreditei em sua visita noturna, desprezei seus encantos, recusei suas palavras, tudo na intenção de evitar mais uma decepção.
Mas somente no começo.
Tudo bem, não havia sido ela quem me dispensou há tempos atrás, mas a vida se torna tão exageradamente corrida que às vezes se faz necessário abrir mão de velhos amigos.
Velhas amigas.
Depois, quando a procurei, ignorou-me como se faz com um cão sem dono.
Por vezes a procurei, mantive-me de frente a uma folha de papel branca, que continuou branca, fazendo-me quase desistir.
Agora, não muito tempo depois, ela perdoou meu erro necessário e retornou aos meus pensamentos, mandando imagens incríveis.
Fazendo-me falar, mas não somente falar, mas transmitir exatamente aquelas idéias impressionantes que nem mesma eu conseguiria ter, somente minha querida Inspiração.

Apocalipse.

E quem disse que o fim do mundo tem que ser em fogo?



Eu sei que lá fora as coisas anda dificeis e comparar o Haiti aos meus problemas é quase cômico, se não fosse futil.


Mas o Fim do Mundo não precisa ser aquele onde anjos e demônios lutam entre si, para mim, ultimamente, basta pensar um minuto em minha vida que o mundo já acaba.


Na verdade o sentido de "vida" não é exatamente o coração bombeando sangue e meu cérebro funcionando naturalmente, muito menos minha vida social, eu falo dele.


Tudo bem, mudemos a palavras; não mais vida, mas motivo.


Motivo para estar viva.


Oks, ele está diretamente ligado a minha vontade de continuar tendo oxigênio no corpo, logo, ele é minha vida.






Ele? Oras, que pergunta besta, eu falo do melamor.






É estranho ter minha vida tão diretamente centrada em uma única pessoa, mas também é prazeroso pensar que tudo que alcansei foi culpa e graças a ele.


Talvez até por ele.






E desde então eu sou feliz; mesmo com todas as tristezas nada pode tirar a única coisa que tenho: amor.


E melhor, correspondido, por mais inacreditavel que seja.


Tão inacreditavel que deveria ser retratado em livros.






E de repente nosso mundo vem abaixo, uma simples briga e já imaginamos o fim.


Agora, pouco antes do relógio anunciar um novo maldito dia, eu me sinto tão desolada quando a Britney Spears no auge da sua queda, tudo porque as coisas vão mal.


Não, vão péssimas.






Fim do mundo.


Um mundo desaba dentro de mim, justamente aquele mundo onde o sol brilha sempre e nada pode dar errado, tão e somente porque ELE está comigo e eu sei que ele pode tudo.


Mas de repente eu estou sozinha, com preguiça de fexar a porta, mesmo sentindo frio.






Lua Nova, eu odeio a Lua Nova, por tantos motivos que se escrevesse ninguém imaginaria.






Mas de que adianta essas lágrimas? Sequer sou mais a menininha dele... Gostaria de ainda ser.


E o futuro bate em minha porta, mas o Fim do Mundo continua exatamente no mesmo lugar...


Dentro de mim.

Aleatóriamente Falando

Lembro-me quando escrevi pela primeira vez sobre vestibulares, eu queria ser atriz, era minha única certeza.
Eu sou uma atriz e não preciso de um diploma de Artes Cênicas para me dizer isso, só de alguns amigos e certas oportunidades.
Hoje em dia, se eu pudesse ser atriz, queria ser que nem a Dani Calabresa, humorista, fazer stand-up.
E quem disse que eu sou engraçada? Oks, tentativa frustrada nº1.
Quando me imagino em uma peça de teatro, vejo papéis depressivos ou que não envolvam o tal do romance, mas se sim, o Sirius está lá do lado.

Estranho não é?

O que um amor não faz com a nossa vida, e de repente o mundo gira só em torno dessa pessoa, até ela implicar com seu Carnaval.
Parece até seriado americano: e quando tudo está dando certo na vida da mocinha tchantchan, as coisas atrapalham novamente!
Certo não é, mas nada na minha sutil vida é extamente certo.



Só ele.



E de novo estou escrevendo apaixonadamente, mesmo que sem saber ao certo o que vai acontecer daqui dois dias.
Será que ele volta a ligar?
Será que nós ainda estamos juntos?

Nem mesmo eu sei responder, mas meu coração pulsa acelerado como se fosse uma bomba prestes a explodir.
Uma onda de choque transcorre por meu corpo e eu sinto vontade de pegar meu celular e ver se ele apareceu.


Respiro.


Não há com o que se preocupar, as ilusões estão desaparecendo e nada disso pode ser eterno.
Nem a felicidade, nem a dor.

O amor pode.
Ele sempre pode mais do que eu, e graças a isso eu posso decidir o que é certo e errado com o coração.
Escolher entre acessos de raiva ou de carinho.
Eu posso transformar a noite em dia e o dia em uma noite.
Eu nunca aprendo, mas prefero assim.

Nada mudou e eu prefiro que não mude nunca, afinal, eu realmente não sou uma humana qualquer.